Você já deve ter ouvido falar no Thanksgiving. Mas sabe como ele surgiu?

Ter um dia para agradecer… particularmente, acho que agradecer é tarefa constante em nossas vidas, seja ao próximo ou a Deus. Eu vivo agradecendo, por tudo e a todos a todo momento. Mas, aqui, o agradecimento tem uma conotação um pouco diferente. Como disse anteriormente, trata-se do agradecer pelas colheitas do ano que vem chegando ao fim.

Mas, como tudo começou? Bom, a história diz que, em setembro de 1620, um navio, chamado Mayflower, saiu de Plymouth, na Inglaterra, com 102 viajantes a bordo. Eles vieram para a América do Norte em busca de liberdade, para que pudessem praticar suas religiões sem serem perseguidos. Os pelegrinos, como eram chamados, chegaram 66 dias após a partida e atracaram onde hoje é o estado de Massachussetts. Lá, começaram a trabalhar e a plantar, dando início à nova colônia de Plymouth. Porém, eles chegaram em pleno inverno e muitos deles morreram de doenças contagiosas e de fome. Pouco tempo depois, na primavera, os pelegrinos que restaram foram recebidos por nativos indígenas, que os ensinaram a plantar, colher, pescar e caçar.

Thanksgiving

Um ano depois, em novembro de 1621, a população de pelegrinos tinha voltado a crescer e as plantações haviam sido um sucesso. Foi então que o governador da vila organizou um grande banquete para todos, nativos e pelegrinos, como ato de ação de graças. Tal ato começou a ser celebrado todos os anos, até que, em 1863, o então presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, declarou feriado nacional na quarta quinta-feira de novembro.

Então, ano após ano, as famílias se reúnem diante de um belo banquete que, tipicamente, é composto por peru assado com recheio de farofa, purê de batatas com molho à base do caldo do peru, tortas de abórbora e de nozes pecan, batata doce, vagem, milho e compota de cramberry. Na quinta-feira vou experimentar e conto para vocês! Happy Thanksgiving!!!

free-thanksgiving-banner-printable-decorations

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Thanksgiving, o dia de agradecer!

Muitas pessoas já ouviram falar do Thanksgiving, celebrado nos Estados Unidos e no Canadá. No Brasil, é chamado de Dia de Ação de Graças, ou seja, o dia de agradecer pelos bons dias vividos no ano que está chegando ao fim. A data é sempre comemorada na última quinta-feira de novembro e é também conhecida como ‘Harvest’, em português, ‘colheita’, o que vem de encontro com a proposta do agradecimento, uma vez que o final de novembro – outono, no hemisfério norte – é quando já foram encerradas as colheitas. Momento, então, de agradecer pelos alimentos.

thanksgiving-362910_1280

É por isso que as mesas das casas norte americanas ficam tão fartas, sem faltar, é claro, o Turkey (peru), com seus acompanhamentos, sobremesas, bebidas e appetizers. Parece até Natal! Mas, para os americanos, é ainda mais importante. Sempre que perguntamos a eles qual é o feriado favorito, a resposta é quase unânime: Thanksgiving!

Decidi perguntar à minha querida professora de inglês qual o motivo para ele ser tão preferido assim, vencendo o nosso tão celebrado Natal. E ela me respondeu de forma simples e clara: “o Natal é celebrado por Cristãos e, nos Estados Unidos, por ser um país tão multi-cultural, com diversas religiões, o Thanksgiving acaba se tornando o favorito, pois ele não tem a ver com religião e, sim, com o agradecimento ao próximo, com a união das pessoas queridas para agradecer e celebrar o ano que está encerrando.

Então, na próxima quinta-feira (27), comemorarei o primeiro Thanksiving da minha vida. Como adoro reuniões familiares, não me resta dúvidas que se tornará especial para mim também, apesar que, de antemão, já digo que o Natal será sempre o meu favorito!

turkey-dinner-636

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Lake Merritt, em Oakland, merece toda a nossa atenção!

Quando se fala em visitar a Califórnia, as pessoas pensam, quase sempre, em três cidades: Los Angeles, San Francisco e San Diego. Realmente, estas são as mais turísticas e mais visitadas do estado. Porém, os arredores podem guardar as melhores surpresas. Neste final de semana, por exemplo, fui conhecer o Lake Merritt, em Oakland, cidade vizinha de San Francisco, e me encantei, não apenas com o lago, mas com a cidade inteira.

IMG_1852

Antes, eu a enxergava mais como a cidade portuária da Bay Area, mas pude ver que o lugar tem muito mais a oferecer. O Lake Merritt, por exemplo, é um ponto que vale a pena ser visitado. Com 5,5 km de extensão, é circundado por ilhas artificiais que refugiam aves; boat center, onde podem ser alugados botes, canoas e aulas de remo; um parque infantil, o Children’s Faryland; além de belos edifícios e uma pista de jogging ao longo de todo o percurso.

Aos domingos, o movimento é intenso. Gente indo e vindo, correndo, caminhando e pedalando. Com pouco tempo em cima de uma bicicleta pudemos conhecê-lo por inteiro e ainda paramos para fotos e para admirar as vistas de diversos ângulos.

Vale destacar que o Lake Merritt foi constituído como o primeiro refúgio de vida selvagem do país, em 1870, e listado no National Register of Historic Places (Registro Nacional de Lugares Históricos), em 1966. Para chegar até Oakland e visitar o Lake Marritt, basta pegar a linda Bay Bridge, que já citei em outras notas!

IMG_1853

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Só falta o Forest Gump

Sabe aquele restaurante que você vai pela primeira vez e se apaixona? Não só pela comida (que nem foi o ponto alto a meu ver), mas pela ambientação e temática! Foi assim que aconteceu na minha primeira visita ao Bubba Gump Shrimp Co., em Monterrey, na Califórnia. Na realidade, trata-se de uma grande rede, com lojas em diversas cidades norte-americanas e também fora do país, como Hong Kong, Londres, Kuala Lumpur, Tokyo e outras.

Bubba_Gump_US_Monterey

Dizem que a vida imita a arte e foi isso que inspirou o grupo a inaugurar o restaurante de frutos do mar baseado em um dos filmes mais incríveis da história do cinema: Forrest Gump, estrelado por Tom Hanks. Quem assistiu se lembra que o melhor amigo de Forrest, o Bubba, era apaixonado por camarões e, após ele morrer, Forrest presta uma homenagem ao amigo ao criar a Bubba Gump Shrimp Co.

Pegando carona no sucesso do filme, a rede começou sua história justamente em Monterrey, em 1996, e, de lá para cá, não parou mais de crescer. A decoração encanta logo na entrada, nos dando a sensação de estarmos no set do filme, devido às réplicas de objetos de Forrest, como mala, sapatos, camisas, etc. As telas espelhadas pelo salão, claro, são preenchidas pelo filme Forrest Gump. Para que o garçon vá a sua mesa, basta deixar à vista a placa escrita ‘Run, Forrest, Run’. Para desmontrar que está satisfeito, a placa ‘Stop, Forrest, stop’ faz as vezes. Aliás, ficar satisfeito no Bubba Gump é tarefa simples, vide o tamanho dos pratos, sempre bem servidos.

O cardápio é bastante variado, quase todo composto por frutos do mar e com opções para todos os gostos. Mas, vamos assumir que o camarão é a estrela do local, aparecendo nas formas assada, frita, salgada, doce, e por aí vai! Isso sem contar com a loja, onde se pode comprar diversos itens referentes ao filme!

IMG_7602

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Walnut Creek, a mais linda cidade da Bay Area!

Três meses após minha chegada, posso dizer que estou, parcialmente, ambientada. A saudade ainda aperta e me faz saber que o Brasil é, definitivamente, o meu lugar! No entanto, eu vim por livre e espontânea vontade e vou seguindo super feliz com minha nova vida, cheia de descobertas e aprendizados.

Moro em uma cidade linda, segura, limpa e com pessoas educadas. Até o nome é uma graça: Walnut Creek, traduzindo, riacho de nozes, representado, logicamente, por um riacho que percorre boa parte da cidade e por inúmeros esquilos que aqui vivem, comprovando que, por aqui, tem nozes!

Aqui os dias são lindos, sem uma nuvem no céu. Agora estamos em pleno outono, com as folhas das árvores mudando de cor, temperaturas baixando, indo dos 9 aos 18 graus Celsius, e a noite chegando mais cedo, por volta das 17h30! Uma deliciosa forma de nos prepararmos para a chegada do inverno!

Árvores vermelhas! Mais lindo outono do mundo!

Típico outono norte-americano!

Na cidade, as ruas são largas e arborizadas. O centro, minha nossa! Segura o bolso! O Broadway Plaza, shopping center daqui, é a céu aberto e traz lojas como Neyman Marcus, Apple, Coach, Sephora, Kate Espade, Victoria Secret, Bare Minerals, entre outras. Além disso, lojas como Forever 21, Macy’s, Nordstrom e Target também estão por aqui! Percebo que muita gente de cidades vizinhas vem a Walnut Creek para compras ou até mesmo para aproveitar a noite agitada e a infinidade de restaurantes. Um receptivo e tanto, não é mesmo?

Simpática pracinha no centro de Walnut Creek

Simpática pracinha no centro de Walnut Creek

Quem for visitar São Francisco, vale a pena pegar o carro e conhecer as cidades da Bay Area, lindas, aconchegantes e com diversas atrações, a começar pela Bay Bridge, a ponte que divide San Fran da região! Mapa nas mãos e divirta-se!

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.