A praticidade no dia a dia estadunidense

Uma das coisas que me encanta nos países desenvolvidos, algumas delas eu já tinha vivenciado em Londres e, agora, nos Estados Unidos, é a praticidade em atividades do dia-a-dia. Por exemplo: aqui, raramente você verá filas em bancos. Isso é simples, primeiro, por causa de uma coisinha que temos acesso em qualquer lugar do mundo, chamada internet. Aqui (apesar de eu achar a conexão pior do que no Brasil), a maioria das pessoas paga tudo pela net.

Você deve estar pensando: ok, mas pagar contas pela net não elimina as filas em banco por si só. Na verdade, isso acontece porque, aqui, não se paga contas em banco. A não ser aqueles financiamentos feitos pelo próprio banco e as faturas dos cartões de crédito, é claro. Aqui, as contas de celular são pagas nas lojas de telefonia celular, as contas de luz são pagas na companhia de luz, seguro de saúde nas lojas próprias, TV a cabo na loja… e por aí vai! Isso é uma mão na roda e elimina aquelas filas em banco de horas e horas a fio.

Outra praticidade e a coisa mais comum do mundo é embalar a comida que sobra no prato. Sim! Isso aqui não é falta de educação, sinal de “pobreza”, breguice ou mesquinharia. Aqui, o que você paga é seu e nem você e nem ninguém tem que ter vergonha disso. Mesmo sendo o resto da comida no prato naquele restaurante super bacana. Os próprios garçons, quando percebem que você não comeu tudo, perguntam se você quer uma embalagem para levar o resto. Porque, afinal, sobrar comida no prato aqui é coisa fácil, vide o tamanho deles! Em alguns restaurantes, as embalagens ficam ao alcance dos clientes, para que eles mesmos peguem e façam sua matulinha!

Os postos de gasolina também adoro! Quem nunca viu nos filmes americanos que os próprios motoristas descem, inserem o cartão na bomba de gasolina e abastecem o carro? Isso é ótimo, porque você nao precisa esperar a “fila de frentistas” usarem a maquininha para passar o cartão e crédito ou débito. Você mesmo vai lá, abastece e faz seu pagamento. Mas, ao mesmo tempo, é um emprego a menos, não é mesmo? E também sinto falta dos nossos amigos, que ainda checam óleo, água e, se preciso, lavam o parabrisa! Aqui não temos essa facilidade.

Falando em fazer o próprio pagamento, isso também ocorre em supermercados e drogarias. O cliente tem a opção de pagar por meio de uma espécie de caixa ‘self service’. Você mesmo passa seus produtos pelo leitor de código de barras, coloca na sacola, faz o pagamento e pronto! Fácil, rápido e seguro!

Os depósitos em caixas eletrônicos também me chamaram atenção. Você simplesmente insere o dinheiro na máquina (sem envelope e sem digitar o valor a ser depositado) que a própria máquina identifica quantas notas de cada valor foram inseridas e te mostra o total do depósito. Com notas, ok, pois elas têm um código que pode ser lido pelas máquinas. Mas o mais incrível é que o mesmo acontece com depósitos de cheques! Você não precisa digitar o valor. A super máquina lê o cheque a ser depositado, independente do garrancho da pessoa que o escreveu! Eu juro que deve ficar alguêm dentro dessas máquinas contando as notas e lendo os cheques

insertingcheckshr451x500

Bom, se eu for ficar aqui enumerando as coisas práticas do dia a dia, o texto vai ficar grande e chato! Então, depois conto mais um pouquinho das curiosidades dos Estados Unidos.

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s