A praticidade no dia a dia estadunidense

Uma das coisas que me encanta nos países desenvolvidos, algumas delas eu já tinha vivenciado em Londres e, agora, nos Estados Unidos, é a praticidade em atividades do dia-a-dia. Por exemplo: aqui, raramente você verá filas em bancos. Isso é simples, primeiro, por causa de uma coisinha que temos acesso em qualquer lugar do mundo, chamada internet. Aqui (apesar de eu achar a conexão pior do que no Brasil), a maioria das pessoas paga tudo pela net.

Você deve estar pensando: ok, mas pagar contas pela net não elimina as filas em banco por si só. Na verdade, isso acontece porque, aqui, não se paga contas em banco. A não ser aqueles financiamentos feitos pelo próprio banco e as faturas dos cartões de crédito, é claro. Aqui, as contas de celular são pagas nas lojas de telefonia celular, as contas de luz são pagas na companhia de luz, seguro de saúde nas lojas próprias, TV a cabo na loja… e por aí vai! Isso é uma mão na roda e elimina aquelas filas em banco de horas e horas a fio.

Outra praticidade e a coisa mais comum do mundo é embalar a comida que sobra no prato. Sim! Isso aqui não é falta de educação, sinal de “pobreza”, breguice ou mesquinharia. Aqui, o que você paga é seu e nem você e nem ninguém tem que ter vergonha disso. Mesmo sendo o resto da comida no prato naquele restaurante super bacana. Os próprios garçons, quando percebem que você não comeu tudo, perguntam se você quer uma embalagem para levar o resto. Porque, afinal, sobrar comida no prato aqui é coisa fácil, vide o tamanho deles! Em alguns restaurantes, as embalagens ficam ao alcance dos clientes, para que eles mesmos peguem e façam sua matulinha!

Os postos de gasolina também adoro! Quem nunca viu nos filmes americanos que os próprios motoristas descem, inserem o cartão na bomba de gasolina e abastecem o carro? Isso é ótimo, porque você nao precisa esperar a “fila de frentistas” usarem a maquininha para passar o cartão e crédito ou débito. Você mesmo vai lá, abastece e faz seu pagamento. Mas, ao mesmo tempo, é um emprego a menos, não é mesmo? E também sinto falta dos nossos amigos, que ainda checam óleo, água e, se preciso, lavam o parabrisa! Aqui não temos essa facilidade.

Falando em fazer o próprio pagamento, isso também ocorre em supermercados e drogarias. O cliente tem a opção de pagar por meio de uma espécie de caixa ‘self service’. Você mesmo passa seus produtos pelo leitor de código de barras, coloca na sacola, faz o pagamento e pronto! Fácil, rápido e seguro!

Os depósitos em caixas eletrônicos também me chamaram atenção. Você simplesmente insere o dinheiro na máquina (sem envelope e sem digitar o valor a ser depositado) que a própria máquina identifica quantas notas de cada valor foram inseridas e te mostra o total do depósito. Com notas, ok, pois elas têm um código que pode ser lido pelas máquinas. Mas o mais incrível é que o mesmo acontece com depósitos de cheques! Você não precisa digitar o valor. A super máquina lê o cheque a ser depositado, independente do garrancho da pessoa que o escreveu! Eu juro que deve ficar alguêm dentro dessas máquinas contando as notas e lendo os cheques

insertingcheckshr451x500

Bom, se eu for ficar aqui enumerando as coisas práticas do dia a dia, o texto vai ficar grande e chato! Então, depois conto mais um pouquinho das curiosidades dos Estados Unidos.

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Fluindo com o trânsito da Califórnia

Eu adoro dirigir! Mas confesso que não tenho um pingo de paciência com engarrafamentos. Não é todo mundo que é assim, como eu! Tem gente que até curte ficar horas para chegar a seu destino e, enquanto isso, escuta música, prepara a lista dos afazeres da semana, estuda, lê livros e até faz unha! Mas eu sou da que reclama e xinga o tempo inteiro, pois, para mim, tempo é dinheiro! Eu poderia estar malhando, lendo, assistindo a um bom filme, mas não! Completo tempo perdido! Mas, voltando ao começo, adoro dirigir! E, dirigir nos Estados Unidos então: mamão com açúcar!

Aqui, qualquer lugar é pertinho (ainda mais porque sou mineira)! Mas é pertinho mesmo, pois a gente pega as freeways, onde não existem sinais de trânsito e a velocidde máxima é de 65 milhas, ou 110 km/h, e, assim, chegamos super rápido em qualquer lugar. Na esquina da minha casa mesmo tem uma freeway que me leva para o centro da minha cidade, minha escola, San Francisco, cidades vizinhas, etc… Além disso, elas não tem buracos e contam com, no mínimo, três pistas em cada direcao. A sinalização e ótima e o pessoal anda no mesmo ritmo, apesar de que, no Brasil, as pessoas dirigem bem melhor do que aqui! Também, pudera, né? Quem dirige no Brasil se sai bem até na Índia!

IMG_2301

Outra coisa boa é que as direitas são sempre livres, mesmo que o sinal esteja fechado para quem vai entrar à direita. Você pode ir sem medo, que não será multado! A não ser que tenha uma placa dizendo que não pode virar à direita no sinal vermelho, claro. Mas, uma coisa que custei para me acostumar é que, aqui, os sinais ficam do outro lado da rua. Então, no começo, eu freava lá no meio do cruzamento e tinha que acabar avançando o sinal.

Já na hora de estacionar, outra vantagem! Não precisamos gastar uma grana para comprar os talões de estacionamento (faixa-azul) e ter que usá-los para ficar por apenas 5 minutos numa loja ou na padaria. Aqui, na frente de cada vaga na rua, tem uma maquininha onde se insere as moedas de acordo com o tempo que você ficará no local. Se for coisa rápida, uma moeda de 10 cents está de bom tamanho! Caso vá demorar mais, insira mais moedas ou seu cartão de crédito, que a maquininha vai te cobrar exatamente o tempo que você ficou estacionado ali! Mas não ouse estacionar e não pagar, pois, aqui, a polícia fica de cima mesmo e o canetão corre solto!

Falando em multas, por aqui não existem radares como no Brasil, nem os fixos e nem os pardais. Sendo assim, as multas de velocidade não chegam em casa. Elas lhe são entregues pessoalmente pelos policiais que patrulham ruas e estradas 24h por dia. Eles vêm atrás de você, ligam a sirene e você é obrigado a parar. Isso acontece caso ultrapasse a velocidade máxima permitida, faça conversões proibidas, dirija embriagado ou cometa qualquer infração de trânsito perto de um policial. O que não é legal nem aqui e nem na China, né? Por isso é bom sempre andar na linha e ficar de olho no retrovisor, lógico!

Agora, o melhor de tudo são os carros automáticos. Carro de câmbio manual é raridade por aqui! Todo mundo tem carro automático, o que torna ainda mais fácil e prazeroso dirigir! E eles sempre vêm bem equipados, diferente do Brasil, onde se deve pagar uma fortuna por cada item adicional!

Então, quando vier para cá, alugue um carro (não esqueça de tirar a permissão internacional para dirigir no Detran – fácil e rápido), conheça um pouco das leis de trânsito do estado (que variam de um para o outro) e faça das suas rotas mais uma forma de conhecer a América do Norte!

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Nada como Napa!

IMG_2824

Napa Valley, uma das mais conhecidas regiões vinícolas do mundo, fica aqui na Califórnia. E o melhor, pertinho da minha casa, a apenas uns 45 minutos. São vinícolas e mais vinícolas a serem visitadas na região, sendo que todas elas estão condensadas nos cerca de 60km de distância entre Carneros e Calistoga. Além disso, as belíssimas paisagens nos fazem amar ainda mais o vale de Napa.

Os vinhos vão desde os Chardonnay ao Zinfandel, passando pelo Pinot Noir, Cabernet e vários outros. E as vinícolas também variam das maiores e bastante conhecidas como Domaine Carneros, Domaine Chandon, Beringer e Robert Mondavi até aquelas pequenas e caseiras. Por isso, antes de ir a Napa, o melhor a se fazer é pegar um mapa e listar aquelas a serem visitadas. Para montar um bom roteiro, a dica é acessar o site oficial da região, onde se pode encontrar informações sobre onde ficar, quais vinícolas ir, meios de transporte, etc.

IMG_2852

Como moro perto, posso sempre ir e, a cada visita, selecionar algumas delas. Mas, foi na minha última ida a Napa que fiquei encantada com duas em especial. O Castello de Amorosa, em Calistoga, e a Domaine Chandon, em Yontville.

Começando pelo Castelo Di Amorosa, chegamos lá logo cedo e pudemos ver os primeiros raios de sol iluminando o belíssimo castelo em estilo italiano. O local foi mesmo erguido com o objetivo de fazer ali uma vinícola e atrair turistas pela grandiosidade da construção, sonho do proprietário, que é filho de italiano e amante de vinhos.

IMG_4938

No entanto, mesmo não sendo um castelo “de verdade”, que já tenha sido habitado, a visita vale a pena. Você pode conhecer partes do castelo e ainda fazer a degustação dos vinhos produzidos no local, os quais somente são encontrados na vinícola, não sendo vendidos para restaurantes e supermercados! Ao visitá-lo, não deixe de subir à torre do castelo, que proporciona uma linda vista das plantações.

IMG_4974

Já a Domaine Chandon, trouxe para Napa Valley a tradição francesa da produção de um dos mais conhecidos espumantes do mundo. Repleto de turistas, a maioria jovem, o local mais parece uma festa!

IMG_5041

Com mesas na varanda, cercadas por uma belo jardim, as pessoas degustavam os mais variados tipos de espumantes para refrescar o calor que fazia em Napa naquele dia. Uma delícia de ambiente e, e claro, de espumante. A Domaine Chandon oferece tours pelos pairreirais, pela produção e, ao final, degustação dos espumantes produzidos com as uvas californianas.

IMG_5058

Uma vez em Napa (ficou bonito isso!), não deixe também de ir ao mercado Oxbowl, em Napa Valley. Salames, presuntos, queijos e todos os demais frios que imaginar, além, é óbvio, vinhos podem ser encontrados e degustados por lá!

Além de tudo isso, Napa Valley oferece passeios incríveis como voos de balões pela região e um incrível tour no Wine Train, que passa por todas as cidades e inclui refeição (almoço ou jantar) e degustação de vinho. Bom, são infinitas as opções de tours e, por isso, sempre que visitar algo novo, contarei por aqui!

IMG_5012

Hoje é dia de Saint Patrick!

17 de março! Hoje comemora-se o dia de São Patrício, ou, Saint Patrick’s Day. Como neste ano a data caiu em plena terça-feira, a comemoração, ao menos em San Francisco, foi no sábado passado, 14. O motivo de antecipar a festa, claro, foi devido à associação com a bebedeira, então, nada como um final de semana para celebrar.

Em San Fran, a já tradicional parada, composta por danças irlandesas e bandas marchantes, teve início na junção da Market Street com a 2nd Street e seguiu em direção à Civic Center Plaza, onde um grande e alegre festival foi realizado. Bandas, barraquinhas de artesanato, comidas e bebidas por todo lado. Assim como milhares de pessoas vestidas de verde. Algumas semi-nuas. Sim, por aqui muitas mulheres se vestem sem o menor pudor. E as que leva a fama… já sabem, né?

IMG_5716

Mas, vamos à explicação das tradições da data. Por ser uma festividade católica, realizada no período da quaresma, diz-se que, antigamente, as pessoas eram liberadas para consumir bebidas alcóolicas no dia de St. Patrick, sendo este o motivo da bebedeira na festa. Além disso, é comum o uso do verde. Isso acontece porque, na rebelião irlandesa de 1798, no dia 17 de março, soldados vestiram uniformes verdes com a intenção de propagar seus ideais políticos e de chamarem atenção para tal rebelião. Além disso, a cor está presente na bandeira irlandesa e ainda no trevo de três folhas, outro símbolo da data, o qual foi utilizado por St. Patrick para explicar o conceito da Santíssima Trindade!

A festa é tão importante e comemorada nos países de língua inglesa que, em algumas cidades, como Chicago, por exemplo, pubs vendem cerveja verde e outras chegam, até mesmo, a “pintar” seus rios desta cor. Então, tudo se liga! Parada, cerveja, trevo e verde por todo lado!

Ainda dá tempo de comemorar! Vista-se e divirta-se! E não se esqueça: se beber, não dirija!

IMG_5699

Carmel de João e Maria

Carmel é daquelas cidades que você se encanta na primeira, apaixona na segunda e morre de amores na terceira visita. Foi assim que aconteceu comigo. O lugar, que mais parece cenário daquela história “João e Maria”, com as casas lindas, feitas de doces e chocolates (chocolate, para mim, não é apenas um doce… vai muito além disso!), fica no litoral da Califórnia – no condado de Monterrey -, e é banhado pelo Pacífico. Bem pequena, a cidade ficou conhecida mundialmente após ter como prefeito o ator Clint Eastwood, entre 1986 e 1988.

IMG_0325

As casas são todas lindas, cercadas de grandes árvores e belos jardins. Mas é a avenida principal, a Ocean Avenue, que mais chama atenção. Por toda a sua extensão, lojas de souvenirs, restaurantes, cafés, patiseries e galerias de arte se instalam nas tais casinhas de João e Maria. Cada esquina mais linda do que a outra. E o melhor, se você descer toda a avenida chegará à bela praia de Carmel, com areia larga e vegetação por toda a orla!

Carmel Beach

Carmel Beach

Do lado direito, avista-se ainda a famosa praia de Pebble Beach, que dá nome a um dos mais belos condomínios residenciais e de campos de golf do país, incluindo o Pebble Beach Golf Links. Caso queira conhecer a região, é possível atravessá-lo de carro, dirigindo pela famosa 17 Mille-Drive, que corta o condomínio de uma ponta à outra. Para isso, paga-se apenas uma taxa de pedágio no valor de U$ 9. Além dos campos de golf, Pebble Beach também é fomosa por sediar, anualmente, uma exposição de carros clásicos e de luxo.

Pebble Beach

Pebble Beach

Voltando ao centro de Carmel, uma boa dica é almoçar no restaurante The Grill on Ocean Avenue, com excelente atendimento e comida maravilhosa! E também, não deixe de visitar a Basílica de San Carlos Borromeo Del Rio Carmelo, mais conhecida como Carmel Mission. Antes de visitar a cidade pela primeira vez, eu tinha visto imagens da igreja na internet e virou, para mim, um ponto imperdível a ser conhecido. Na primeira visita, fomos até lá, mas estava fechada. Na segunda vez, a mesma coisa. Já na terceira, recentemente, com minha mãe, demos a sorte de pegá-la aberta! Um sonho de igreja, que hoje é tida como monumento da Missionary of the Cross – Missionários da Cruz. Para se ter uma ideia, ela foi construída em 1793 e é toda feita em pedra. Com o passar do tempo, ela foi se transformando em ruínas e, após os Estados Unidos tomarem o controle da Califórnia, em 1846, ela começou a ser reconstruída. A visita mais ilustre à basílica Carmel Mission foi do papa João Paulo II, em 1987. Hoje ela é um marco na cidade e deve ser visitada por quem for a este encantador lugar!

Carmel Mission

Carmel Mission

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Fort Point escondido em San Fran

IMG_2738

Em mais uma linda manhã em San Francisco, fomos passeando pela Marina Boulevard até chegarmos ao finalzinho da Marine Drive. Lá, nos deparamos, como sempre, com pessoas caminhando, correndo, apreciando a bela vista emoldurada pela Golden Gate Bridge e reparamos, também, que lá no final, há um prédio antigo, parecendo abandonado. Por curiosidade, fomos caminhando até ele e, sem querer, descobrimos um belíssimo local a ser visitado na cidade. Talvez muitas pessoas nunca tenham ouvido falar, pois me pareceu não ter muito movimento de turistas por lá, como há nas demais atrações de San Fran.

IMG_2729

Entramos no prédio, que não cobra ingressos para a visitação, e, logo de cara, ficamos encantados com o lugar, começando pela história. Construído pelas Forças Armadas dos Estados Unidos, ele ficou pronto logo antes da Guerra Civil Americana. O objetivo, claro, era defender San Francisco de possíveis ataques de navios. É por isso que, no piso mais próximo ao nível do mar estão canhões e demais itens da artilharia que viriam a ser usados. Hoje, o forte é considerado um importante ponto histórico nacional, compondo as atrações do parque nacional Golden Gate.

Mas, o que torna o lugar ainda mais especial são os diversos ângulos pelos quais podemos ver a Golden Gate Bridge. O centro do prédio, de três andares, é descoberto e, ao olhar para cima, lá estão algumas partes da maravilhosa ponte. Andando para outro lado, podemos avistar o topo de uma de suas torres. Já do terceiro andar, ficamos, praticamente, sob ela e temos uma visão incrível da ponte como um todo. Um passeio e tanto para quem quer clicar a mais famosa atração da Califórnia!

IMG_2574 6.02.13 PM

South Lake Tahoe, paraíso da neve, sem neve!

Engana-se quem pensa que visitar South Lake Tahoe no inverno é garantia de ver neve! Pode até ser, desde que suba até uma estação de esqui e se satisfaça em vê-la já caída, o que não deixa de ser maravilhoso! Mas, ver neve por toda a cidade e os telhados das casas branquinhos, desista! Já faz algum tempo que Lake Tahoe não sabe o que é isto. Não à toa, o novo lema do local é ‘pray for snow’, em português, reze pela neve.

IMG_4194

Mas isso não é empecilho para visitar South Lake Tahoe, uma das mais famosas estações de esqui dos Estados Unidos, localizada na divisa da Califórnia e Nevada. Pelo contrário! A cidade é linda e merece ser conhecida em qualquer estação do ano.

Ladeada pelo enorme lago que lhe deu o nome, South Lake Tahoe é um local bastante rústico, com pousadas e hotéis de madeira predominante, diversos campings, bares e restaurantes para todos os gostos! A não ser que você caminhe para o lado de Nevada, onde estão enormes hotéis/casinos super modernos como o Harveys e o Harrah’s, um paraíso para quem gosta de tentar a sorte nos caça-níqueis e roletas, passeio imperdível para quem estiver por lá. Tentei, porém, como da outra vez, não foi dessa vez! Mas valeu a diversão!

IMG_4391 6.03.26 PM

Um dia da viagem merece ser reservado para subir à montanha de esqui mais famosa da cidade, a Heavenly. Um passeio sensacional para quem esquia ou não! Para chegar até o topo, pega-se uma gôndola (bondinho) no centro da cidade! O preço (um pouquinho salgado) varia dependendo da sua intenção, se vai esquiar ou só mesmo subir para ver a neve e o movimento. De toda forma, só o trajeto feito pelo bondinho já paga o ingresso! Subindo pela beira da montanha, quanto mais alto, claro, mais linda a vista do lago e da cidade.

IMG_4269

No meio da subida, há um mirante onde podemos descer para admirar toda a beleza diante dos nossos olhos. Depois continuamos até chegarmos às estações de esqui. Parece outra cidade! O cenário é composto por um enorme restaurante, com mesinhas na neve, DJ e gente pra todo lado esquiando, praticando snowboard ou descendo as montanhas em boias gigantes! Da base da estação, conseguimos avistar uma descida enorme, para profissionais, além da pista de iniciantes e intermediários. Já para longe de nossa visão, há mais uma infinidade de pistas para todos os gostos e níveis.

Na cidade, aos pés da Heavenly, os restaurantes com mesas do lado de fora e lareiras gigantes acolhem e animam os visitantes. Destaque para o Base Camp e suas pizzas deliciosas e para o Gunbarrel, o mais animado e com melhor atendimento!

Reserve também um dia para conhecer a praia de Lake Tahoe ao redor do lago e também para ir até o Emerald Bay State Park, uma baía de águas cristalinas, onde podem ser praticadas atividades como hiking, canoagem, snorkeling, picnic, pescaria, camping e várias outras! A paisagem é maravilhosa!

Agora que o inverno californiano acabou (ele é bem tímido, por sinal), é hora de começar a me preparar para voltar no verão! O negócio é curtir a cidade, seja a estação que for!

Serviço

Como chegar

– Saindo de São Francisco, vá pela Interestadual 80 leste até chegar à capital da Califórnia, Sacramento, e, de lá, siga pela estadual 50 leste até chegar a Lake Tahoe.

Onde ficar

– Tahoe Beach and Ski Club – 3601 Lake Tahoe Boulevard – (530) 541-6220

Onde comer

– Base camp: 1001 Heavenly Village Way – (530) 544-2273
– The Gunbarrel Tavern: 1001 Heavenly Village Way (530) 542-1460

IMG_4411 6.03.26 PM

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Meu novo restaurante favorito

IMG_4490 6.03.26 PM 6.03.26 PM

Quem não gosta de comer bem? Acho que todo mundo! Eu adoro algumas grandes redes americanas, que ainda conseguem fazer a comida sem aquele sabor industrializado que encontramos na maioria delas. Mas, vamos combinar que a comida boa de verdade é aquela preparada pelo chef, na cozinha pequena, feita com muito carinho e que deixa gosto de quero sempre mais.

Foi com essa sensação que saí do Eagle Cafe, um delicioso restaurante localizado no segundo piso do Pier 39, em San Francisco. Entre as paredes de madeira, estão delícias no menu que vão desde cafés da manhã tipicamente americanos, até pratos especialmente elaborados para almoço e jantar, incluindo o bar de ostras. Aliás, os frutos do mar são a especialidade da casa.

Curiosamente, o Eagle Cafe começou como um local que vendia tiquetes para passageiros que viajavam de barco partindo de San Francisco. O movimento era tanto, que os donos abriram um café e depois transformaram neste delicioso restaurante em meio a um dos pontos mais turísticos de San Fran.

Se tiver a oportunidade de visitar, não deixe de experimentar o camarão ao alho (garlic shrimp). O molho usado no prato é algo sem explicação. Cheguei a perguntar como é feito, mas este é um segredo do chef. Só soube que no preparo leva molho de ostras. E também senti um gostinho de limão e pimenta do reino, além do alho, é claro! Outra boa pedida foi o Clam Chowder, sopa de mariscos servida no pão Sourdough, prato típico de San Francisco! Chego a dizer que, ao invés dos sandubas e frituras, este deveria ser adotado como o prato típico americano! Falando em frituras e sanduba, experimentei uma batata frita que acompanha o sanduíche que leva o nome da casa e, não coincidentemente, achei a melhor que provei aqui até então! Para completar a lista de elogios, o atendimento é ótimo e a vista para a baía dispensa comentários! Agora deixe-me ir, porque deu fome!

Eagle Cafe
Pier 39 suite #103
San Francisco, CA
(415)433-3689

IMG_4495

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Impressionante Alcatraz!

IMG_4489

Alcatraz, A Rocha, Prisão de Segurança Máxima. Todo mundo já ouviu falar dela, assistiu a algum filme ou leu um livro a respeito. E sempre as pessoas falam: “a prisão de Al Capone”. Sim! Esta mesmo. Ela não é mito e fica aqui, em San Francisco.

A desativada prisão é aberta ao público para que possam conhecê-la e desvendar seus mistérios. São milhares de turistas passando por lá anualmente, curiosos, principalmente, com a história da fuga de três prisioneiros que nunca foram encontrados. Sabe-se lá se afogaram, congelaram, foram devorados por tubarões. Aliás, esta história é muito bem contada no filme ‘Escape from Alcatraz’, com Clint Eastwood no papel do ex-presidiário Frank Morris. A prisão, localizada na pequena ilha a 2,4 km de San Francisco, funcionou como prisão federal entre 1933 e 1963. Depois disso, em 1969, foi ocupada por nativos ativistas de San Francisco. Já em 1972, se tornou área de recreação nacional e hoje é um importante patrimônio norte-americano.

O tour

O tour pela ilha começa no transporte, feito por barcos que navegam pela baía por 15 minutos até ancorarem na ilha de Alcatraz. Lá, os turistas podem caminhar livremente pelas dependências da ex-prisão, sendo a principal parte delas a área das celas. Para esta parte do tour, estão disponíveis guias em áudio para que os visitantes saibam o que se passou por ali. No áudio são contadas histórias da prisão, dos ex-prisioneiros e diversos fatos curiosos que aconteceram nos 29 anos de funcionamento. Um passeio imperdível para quem visita San Francisco.

IMG_4486

Alcatraz
Pier 33
Alcatraz Landing San Francisco, CA
Ingressos: alcatrazcruises.com

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.

Rumo a L.A. com as mãos no volante

IMG_2301

Para o começo do ano, estava nos planos uma viagem a Los Angeles com minha mãe, que veio me visitar! À princípio, eu tinha pensado em ir de avião, para ganhar tempo naquela cidade. Já minha mãe preferia ir de carro para conhecermos o interior do estado e curtirmos mais nosso tempo juntas!

Concordei! Adoro dirigir e não me assuto com o novo! Pelo contrário. Tudo para mim vira diversão! E eu sabia que, com experiência de dirigir nas estradas do Brasil (ou melhor, de Minas Gerais), isso aqui seria o paraíso!

E não deu outra! GPS ligado para não errar o caminho e lá fomos nós! Saímos de Walnut Creek às 8h e seguimos um pouco pela estrada 680, mais um pouco pela 580, até pegarmos a 5, uma reta sem fim, que nos deixou dentro de L.A às 13h30! Eu poderia até dormir se quisesse, tão reta é a via! Mas minha mãe cuidou dessa parte enquanto eu seguia admirando as belas paisagens, que vão desde fazendas e campos verdinhos até montanhas com o pico encoberto por neve! Na volta, desviamos a rota pela remota 46 e pela histórica 101 e paramos na cidade mais linda e cenográfica da Califórnia: Carmel! Para quem quer se aventurar de carro por essas bandas, minha dica é: vá (mas não sem um GPS) e descubra o belo interior norte-americano!

* Travel3 USA é uma coluna escrita para a revista Travel3, publicação de origem mineira, mas que não tem limites para viagens mundo afora. Acompanhe por aqui.